Tomar decisões ao fazer escolhas importantes: aprenda!

Em certos momentos da vida pessoal e profissional, chegamos ao ponto em que devemos tomar decisões e fazer escolhas. Períodos como esse causam muita ansiedade e estresse, pois na maioria das vezes tememos as mudanças e consequências das nossas resoluções. Além disso, é necessário lidar com as expectativas próprias e alheias.

Como analisar, então, essas importantes decisões e definir o melhor caminho a ser seguido? Neste post, vamos indicar alguns fatores para levar em consideração e tornar esse processo mais tranquilo. Confira!

Controle a impulsividade

Na ânsia de tomar a melhor decisão e se livrar da pressão é fácil levar em conta motivos equivocados. Portanto, a primeira dica é: livre-se do impulso de decidir rapidamente.

Mesmo que nessa ocasião as suas decisões envolvam e afetem outras pessoas — e elas o estejam pressionando a assumir determinado posicionamento —, pense bem e cuidadosamente.

Se possível, consiga um momento para pensar com calma e considerar todos os pontos importantes sem interrupções. Essa atitude o ajudará a se isolar das influências externas e se restabelecer com seus motivos essenciais, que são prioritários para uma decisão correta e madura — que evitará arrependimentos no futuro.

Filtre as opiniões alheias

O segundo passo diz respeito à identificação dos fatores que estão pesando na sua decisão que dizem respeito a você e os que dizem respeito às influências externas. Não é difícil ser sugestionado pelas expectativas das pessoas ao redor, sejam colegas de trabalhos, amigos ou familiares.

Você pode estar sob a influências de ideias e desejos deles sem sequer dar conta. Portanto, analise, com calma, quais fatores estão pesando na sua decisão, quando eles surgiram e o porquê. Seja honesto e você perceberá claramente a diferenças entre os dois tipos de preocupação.

Para que você visualize melhor, veja abaixo alguns exemplos de preocupações que pesam na tomada de decisões mas que são influências externas — e apesar de deixarem você inquieto, não devem ter um papel principal nas suas indecisões:

  • medo do que a pessoa X vai pensar se você tomar a decisão A;
  • receio de perder o apoio de determinadas pessoas ao optar pelo caminho que você deseja seguir;
  • temor de perder sua influência e credibilidade no ambiente de trabalho, dependendo da forma como você se posiciona.

Ao filtrar as opiniões alheias, será mais fácil visualizar com clareza qual direção faz realmente sentido para você.

Respeite o seu tempo ao fazer escolhas e tomar decisões

Siga seu próprio ritmo. Às vezes é necessário algum tempo para que uma ideia amadureça e a melhor decisão fique clara. Deixe claro para as pessoas envolvidas que você está analisando a situação e, quando obtiver uma resolução, vai comunicá-las.

Não deixe que elas o pressionem ou sugiram uma decisão. Aceite conselhos das pessoas que são da sua confiança, mas não fique preso ao medo de decepcioná-las. Seja firme, mas amigável e aberto ao diálogo.

Faça o que for melhor para você, mas não se limite ao medo

Pode ser que seus medos e pontos negativos apareçam para tomar parte na conversa. Se a insegurança surgir, lembre-se que sempre que houver uma decisão em que um dos caminhos o levará para um nível superior, a tentação de continuar na sua zona mais confortável vai se manifestar. É um processo automático.

Não é fácil ignorar a insegurança por que ela sempre toca nos seus pontos fracos e faz perguntas como:

— E se eu não for um bom líder?

— E se eu não for capaz de demonstrar a objetividade e firmeza que esse cargo exige?

— Não sou bom com pessoas, então por que aceitar essa promoção?

Para diminuir a participação da insegurança nas suas decisões, uma boa alternativa é pensar em formas de trabalhar seus pontos fracos, participando de treinamentos, por exemplo.

Quando você conseguir filtrar as influências alheias e ficar apenas com o que é realmente seu para chegar a uma resolução, relembre o que é importante para você, mas não se limite aos seus medos e às suas inseguranças: encontre formas de corrigi-los.

Tomar decisões e fazer escolhas não é tarefa fácil, mas se separarmos os fatores que nos influenciam, podemos fazer a escolha certa. Quer ficar por dentro de outros conteúdos como este? Então, assine a nossa newsletter agora mesmo!