A governança corporativa é amplamente abordada no meio empresarial. Isso se dá graças à regência que essa prática dá para todos os assuntos relacionados ao alto escalão e processos gerenciais da organização.

Pensando na importância desse assunto, hoje trouxemos este post explicando o que é, quais são as vantagens e como aderir à estratégia. Quer saber mais sobre os princípios dessa prática? Continue lendo!

O que é governança corporativa?

Essa estratégia é um esquema de organização que visa dirigir, acompanhar e expandir as empresas. O segredo dela está na forma de fazer: trata-se de gerenciar os relacionamentos entre negócio, sócios, direção, conselhos administrativos, órgãos de controle e fiscalização (como auditorias) etc.

A ideia é executar alguns valores, tornando-os base para um ciclo de ação. A forma de encontrar o equilíbrio entre as personas importantes — as citadas e quantas mais forem relevantes a nível de decisão na empresa —, usando os 4 pilares da governança corporativa:

  • equidade: a partir das possíveis diferenças, todas as partes devem ser consideradas igualitariamente (use a negociação cooperativa);
  • prestação de contas: os agentes são totalmente responsáveis pelas ações (e omissões) praticadas;
  • transparência: manter as informações claras e acessíveis, positivas ou negativas;
  • responsabilidade: geralmente ligada a questões sociais e ambientais, visa inserir a empresa no contexto sustentável (até para mantê-la competitiva, saudável e ligada às tendências do mercado).

Esses princípios são norteadores, pois a partir deles se deve traçar atitudes, criando assim um plano estratégico a ser seguido. O planejamento é alimentado por meio de uma comunicação eficiente. Por isso, tome boas decisões acerca do canal e periodicidade, de acordo com a necessidade.

Quais são as vantagens de implementá-la?

A adoção da governança corporativa começa a surtir efeitos assim que colocada em pauta. A questão da transparência — sobre informações contábeis e negociações — por si só já agrega um clima de confiança no que diz respeito ao relacionamento entre sócios, por exemplo.

A mensuração das reais ações e resultados facilita a percepção de oportunidades de negócios, além de colaborar para que a empresa tenha vantagens competitivas. Lembre-se de que uma gestão “redondinha” alinha os processos da empresa. Isso é sinônimo de eficiência, corte de custos, alta qualidade e investimento no que realmente dá frutos.

Como aderir a essa prática na empresa?

Sabemos que gerir uma empresa e lidar com pessoas nunca é uma receita de bolo: a realidade do empreendimento sempre vai ditar caminhos para a organização e necessidades a serem atendidas. Tendo isso em mente, temos 3 dicas essenciais para implementar a governança corporativa no negócio:

Reveja os mapeamentos e processos

Em relação a tudo que tange recursos e capital: quais são os esquemas atuais de produção? Como se dá a hierarquia? Como os processos internos se organizam? E as informações registradas, elas passam de uma área para a outra?

Reveja todos esses caminhos. É importante que a estrutura da empresa seja repassada, de modo que a propriedade se torne organizada, fluída e de fácil assimilação.

Dê atenção aos dados contábeis

Tudo que se faz em uma empresa gera uma movimentação: absolutamente tudo que a empresa faz está registrado de uma forma ou de outra no balanço, por isso, a contabilidade é sua parceira na hora de encontrar as razões dos problemas e confusões.

Ao falar dos processos operacionais internos, estamos falando diretamente do que é reflexo dos registros contábeis. Por isso, é essencial fazer gestão dessas informações.

Faça constante manutenção das políticas

Ainda que para iniciar essas melhorias você precise de uma consultoria, conforme o negócio vai se adaptando à estratégia, o trabalho se torna simples e intuitivo. É, de fato, como criar um bom hábito, mas não se acomode com o costume e o passar do tempo.

À medida que for colhendo os resultados, repasse os documentos e constate se há alguma necessidade de ajuste na política da governança corporativa. Isso pode ser preciso no caso de novas realidades econômicas, mudanças no mercado etc.

Garantir a confiabilidade nas relações substanciais da empresa faz com que ela seja digna de credibilidade interna e externamente. Um verdadeiro líder está sempre um passo à frente nas boas práticas. Que tal se manter atualizado com nossos posts? Nos acompanhe no Facebook e no LinkedIn!