As divergências entre colaboradores e equipes dentro das empresas sempre foram encaradas como potenciais conflitos que, por premeditarem a queda qualitativa e quantitativa dos negócios, deveriam ser neutralizadas a todo instante.

No entanto, algumas vezes, os erros de gestão estão exatamente nesse ponto, visto que proceder dessa maneira pode impedir o afloramento da inteligência coletiva nas empresas.

Afinal, grandes oportunidades de aprimoramento dos processos internos são simplesmente perdidas pela suposição de que discussões, necessariamente, resultarão em problemas na área produtiva e financeira dos negócios.

Quer conhecer o que é a inteligência coletiva e como incentivá-la nas empresas? Continue lendo este post e saiba mais!

Definição de inteligência coletiva

Viver em sociedade é, basicamente, o elemento-chave para ser inundado pela denominada inteligência coletiva — mesmo que não seja notado. Isso acontece porque, desde os primórdios, a espécie humana se beneficia disso como um conjunto de conhecimentos e experiências que são apresentados e divididos entre os indivíduos em coletividade.

De modo geral, as culturas nada mais são que a consequência desse emaranhado de informações repassadas de geração em geração. Assim, os aprendizados obtidos garantem a perpetuação dos grupos sociais, visto que, por meio de experiências prévias, seus membros são capazes de discernir quais são as melhores escolhas no futuro.

No cenário empresarial, a inteligência coletiva também tem seu papel para a tomada de decisões mais categóricas e certeiras. Afinal, a partir da discussão construtiva de ideias aparentemente contraditórias, pouco a pouco, soluções inovadoras e criativas são extraídas, ampliando o leque de possibilidade aos negócios.

Para tanto, gestores precisam compreender quais comportamentos individuais, de fato, contribuem como verdadeiros canais de troca dessas informações, a fim de obter resultados a partir de boas ideias constantemente discutidas por muitas cabeças.

Tipos de comportamento nas empresas

O primeiro ponto relevante a ser avaliado pelos gestores é o padrão de comportamento enraizado nas equipes. Via de regra, existem duas espécies: efeito manada e mente de colmeia.

Efeito manada

É o comportamento naturalmente desenvolvido pelos indivíduos quando inseridos em uma coletividade. O efeito manada representa a forma instintiva do homem em se adaptar às características e aos hábitos já presentes no grupo do qual se torna participante.

Na esfera empresarial, situações como essa podem se tornar grandes problemas quando, por exemplo, os colaboradores de determinado setor são mais individualistas e combativos no trabalho. Assim sendo, caso um novo membro seja alocado para essa seção, há uma probabilidade considerável de que ele absorva e propague essas mesmas características.

Mente de colmeia

Por outro lado, esse formato coletivo de comportamento, quando bem executado, atrai grandes vantagens às empresas. Aqui, os objetivos das equipes não são direcionados aos interesses individuais, mas sim aos coletivos da corporação.

Com isso, os ambientes de trabalho se tornam mais amigáveis, na medida em que cada funcionário, conscientemente, é integrante-chave do processo de aprimoramento dos processos internos das companhias — como abelhas trabalhando em uma colmeia, em conjunto.

Aplicabilidade da mente de colmeia nas equipes

Existem diversas formas de incentivar seus colaboradores a adotar uma postura mais aberta ou menos individualista aos interesses coletivos na empresa. Tudo começa com o comportamento praticado no dia a dia por você, gestor.

Por isso, tenha em mente que suas funções vão muito além da gestão empresarial. Por meio de medidas amigáveis e receptivas às divergências e complexidades do cotidiano, é preciso se portar como um líder referência dentro da companhia. Afinal, a inteligência coletiva somente consegue ser extraída em ambientes com abertura à escuta e ao diálogo.

Além disso, outro aspecto diz respeito a sempre reforçar a importância de se manter uma comunicação transparente e objetiva entre os colaboradores, a fim de que as trocas de informação consigam surtir seus efeitos nos fluxos de trabalho mediante soluções previamente discutidas pelas equipes.

A inteligência coletiva é um mecanismo efetivo na elaboração de soluções inovadoras nas empresas. Nesse sentido, a discussão construtiva entre colaboradores consegue extrapolar as possibilidades geralmente apresentadas por um número menor de membros — o que incentiva a aplicação de novos paradigmas empresariais mais produtivos e lucrativos.

Achou interessante este artigo sobre inteligência coletiva? Caso queira se aprofundar ainda mais nesse assunto, confira também como é possível obter engajamento de equipe com mudanças de comportamentos organizacionais!