O treinamento e desenvolvimento de pessoas merece muita atenção. Como bem se sabe, na administração, os resultados sempre dependem das primeiras etapas, isto é, do planejamento e do alinhamento da estratégia. Com o capital humano não é diferente: se a empresa não prevê o investimento para aperfeiçoá-lo, provavelmente vai ficar estagnada.

No mercado de trabalho, é muito comum encontrar colaboradores que “aprendem enquanto estão fazendo”, ou seja, sem nenhuma base para apoiar o seu trabalho e crescer profissionalmente. A verdade é que quanto mais qualificada a equipe, mais qualidade a organização entrega em seus produtos e serviços.

Além do bom posicionamento de mercado, a competitividade se torna um fator relevante, norteando os planos para o time de trabalho. Quer saber como fortalecer essa cultura de aprimoramento na sua liderança? Venha conosco nessa leitura!

Qual é o papel da capacitação na alta performance?

Segundo dados de 2016, o Brasil se apresenta tímido quando o assunto é treinamento e desenvolvimento de pessoas. Quando analisamos informações mais atuais a respeito de produtividade, percebemos com facilidade o reflexo desse descuido com o investimento em capacitação já que nosso país aparece muito abaixo dos outros.

Nota-se a diferença nos resultados: culturas organizacionais que não se prendem à crise e contra-atacam potencializando os conhecimentos de sua equipe, focando na melhoria do desempenho, trazem resultados positivos, como podemos ver no ranking 2018. Ou seja, a capacitação é um dos fundamentos da alta performance.

Em território nacional, a média por colaborador é de 22 horas em treinamento por ano. Já nos EUA (que faz parte do top 5 nos índices de desempenho), esse número vai para 32 horas. Os números não mentem: para obter resultados excelentes, investir no capital humano é essencial.

O treinamento e desenvolvimento de pessoas agrega valor à organização

Você tem autonomia para delegar tarefas à sua equipe, sem se preocupar, pois sabe que cada colaborador é perfeitamente capaz de executar as atividades propostas? Quando a pessoa “está pronta”, a direção se desobriga de questões operacionais, já que cada profissional tem total propriedade sobre os procedimentos corporativos.

Esse cenário é real quando ocorrem treinamentos na empresa e quando a liderança se preocupa em desenvolver os membros do time. Entre as vantagens, é importante citar:

  • diminuição da rotatividade (turnover);
  • aumento da qualidade de serviços e produtos, evitando a perda de clientes;
  • alta retenção de talentos;
  • alta produtividade;
  • melhoria no relacionamento entre gestão e operação;
  • equipe engajada e bom clima organizacional;
  • empresa ganha status e se torna mais competitiva.

O gerenciamento do capital humano é uma tendência na gestão de pessoas: quanto mais você o cultiva, mais valor a sua organização tem, pois isso se estabelece como diretriz para o negócio, contagiando todos os que trabalham nele.

Como consolidar os treinamentos?

Até aqui, os resultados e a importância de treinar e desenvolver pessoas já está explícito. O ponto é: como fazer isso? Mais do que perceber a necessidade de treinamento e esquematizar a forma de ensino, é preciso acompanhar a evolução e os frutos dessas ações. Trouxemos 3 dicas a seguir, confira!

Mentoria

Lembrando que o treinamento foca nas habilidades específicas que são necessárias para desempenhar uma função, cargo ou responsabilidade, uma mentoria para instruir e orientar o colaborador após o momento de aprendizagem pode ser uma boa ideia.

Assim, a gestão consegue apurar qual é o real valor das práticas empregadas e como elas surtem, ou não, efeito. Estreitar os laços com o público-alvo do treinamento colabora para ter uma melhor devolutiva sobre o que foi proposto, podendo melhorar o processo.

Gamification

Gamification é um termo que está ganhando o mercado. Trata-se de lançar desafios para a equipe, dando pontuações conforme cada “etapa” avançada. Os projetos em questão devem ser administrados de maneira análoga aos games, que têm fases, recompensas etc.

Além de promover a boa competitividade, demonstra o quanto determinado aspecto está sendo trabalhado, já que a progressão da dificuldade de cada nível pede cada vez mais habilidade para encontrar as soluções. Os prêmios por avanço também são importantes.

Reconhecimento

Falando em reforçar boas performances, na gamification, os resultados do “game” são usados para premiar quem se destaca ou tem o melhor desempenho. Está na pirâmide das necessidades humanas: pessoas precisam ser reconhecidas.

Sendo assim, como líder, não deixe de elogiar o trabalho da equipe, reconhecendo esforços e mostrando como o treinamento faz diferença. Dê bonificações (monetárias ou não) por metas alcançadas e capriche no feedback, fazendo a pessoa se sentir vista e reconhecida.

Como planejar o desenvolvimento da equipe?

Passando dos treinamentos, que são mais pontuais, e indo para o desenvolvimento das pessoas, muitos desafios são encontrados. Nesse sentido, a mentoria pode ser um elo de ligação, acompanhando a equipe e registrando as evoluções a fim de encontrar destaques e caminhos mais acertados para cada um.

Foco no comportamental

Além das características de gestão, os pontos fortes e fracos do comportamento do colaborador precisam ser compreendidos e trabalhados. Mesmo que a pessoa seja um expert na atividade, aspectos de relacionamento interpessoal, problemas para falar em público, entre outras coisas podem arruinar o desempenho.

Por isso, o desenvolvimento também tem a função de perceber o que está atrapalhando o crescimento e a melhoria na carreira do colaborador, traçando assim metas para atingir o objetivo final, sempre deixando claro como esse crescimento ajuda na obtenção do sucesso na organização.

Alinhamento com a estratégia

Vale ressaltar que a educação da equipe depende da cultura organizacional do negócio. De acordo com os valores cultivados pela empresa e do seu modo de trabalho ideal, desde a seleção já se pode encontrar pessoas que têm afinidade com o propósito.

Dessa forma, o desenvolvimento desse indivíduo na organização só soma, sendo que ambos ficam felizes com a relação, uma vez que há um acordo sobre a boa influência da empresa na vida do colaborador e vice-versa.

Métricas para avaliar o impacto

Ao aplicar um treinamento ou dar início a um programa de desenvolvimento, não deixe de gerenciá-lo. Isso quer dizer que é importante coletar os dados de antes e depois, saber a quantidade de tempo e recursos investidos além de definir prazos para calcular o impacto da ação sobre a rotina de trabalho.

A partir desses dados, é possível aprimorar os treinamento e dissolver gargalos operacionais. Quando a equipe acompanha a ascensão do ambiente corporativo para um lugar produtivo e fluido, verificando os números que indicam isso e vendo como a empresa investiu nela, o resultado é excelente.

Direcionamento prático

Não basta entender que o treinamento e desenvolvimento de pessoas é a chave para alavancar o sucesso da gestão e da organização e não colocar isso em prática. É muito importante que o aprendizado e o aprimoramento tenham espaço na rotina e sejam baseados nas reais necessidades e ideais da empresa e dos colaboradores.

Sendo assim, o primeiro passo é estruturar uma transformação da visão improdutiva e focar nas aplicações que trazem direcionamento para essa mudança. Quer ter toda essa energia norteando a sua carreira? Seja um verdadeiro líder, tome a iniciativa pela sua equipe: entre em contato conosco e saiba como nossa expertise pode auxiliar você nessa empreitada!